Índice
Página Anterior   - Introdução
Próxima Página    - Forças em Plano Horizontal (massa vertical)
Capítulo Anterior - LEIS DE NEWTON
Próximo Capítulo  - TRABALHO E ENERGIA

6.3 Forças em Plano Horizontal (duas massas)

   Para a situação envolvendo duas massas sob a ação do atrito, temos as duas possibilidades, uma refere-se as massas em contato direto, e a outra, quando ocorre a conexão através de um fio.

  • Contato direto

    Considere duas massas A e B, de massas mA e mB em contato direto sendo deslocadas através de A por uma força horizontal , imprimindo ao corpo uma aceleração horizontal de acordo com a 2ª Lei de Newton dado por (5.1). O somatório das forças resultantes segundo cada eixo são:

    a partir de 2, as forças normais que agem em cada corpo

    (6.8)

    de 1, obtém-se a aceleração do conjunto

    (6.9)

       As forças de contato são encontradas isolando os corpos e escrevendo a 2ª Lei de Newton para cada um deles. Para o bloco A, temos

    então, a força que o corpo B exerce em A após substituirmos o valor da aceleração (6.9) e substituindo a força de atrito em A por

    é mostrada em (6.10)

    (6.10)

    Para o corpo B, pela 2ª Lei de Newton

    encontrando-se para a força que o corpo A exerce sobre o corpo B uma expressão idêntica a equação (6.10).

       Considere as massas A e B sob a ação de uma força F aplicada formando um ângulo com a horizontal, de acordo com a 2ª Lei de Newton (5.1)

    observando 4, as forças normais são

    (6.11)
  • temos então para a força de atrito

    podemos assim obter a aceleração para as duas massas a partir de 3, após substituir a força de atrito

    (6.12)

  • Conectadas por um fio

    Considere duas massas A e B, de massas mA e mB intercaladas por fio inextensível (massa desprezível) e puxadas por uma força horizontal através de A, de acordo com a 2ª Lei de Newton dada por (5.1), o somatório das forças resultantes segundo cada eixo pode ser escrito como

    e a partir de 2, as forças normais que agem em cada corpo são

    (6.13)

    Sendo esta equação idêntica a equação (6.8), e cancelando a tração, somando-se as forças na direção horizontal obtém-se a aceleração do conjunto

    (6.14)

       Considere as massas A e B sob a ação de uma força F aplicada formando um ângulo com a horizontal, de acordo com a 2ª Lei de Newton (5.1)

    observando 4, as forças normais são as mesmas da equação (6.11)

    (6.15)

    somando-se as expressões em 3, escrevendo as forças de atrito em função das normais (6.15) tem-se a aceleração das duas massas na forma da equação (6.12)

    (6.16)

    As trações assumem os mesmos valores das forças de contato.


© 2001 Todos os direitos reservados
José Nazareno dos Santos (Bolsista do PROLICEN)
Prof. Dr. Romero Tavares da Silva (Orientador)

Entre em contato conosco
jns@fisica.ufpb.br
emc@ead.ufpb.br
romero@fisica.ufpb.br
romerots@terra.com.br

Topo da Página